INTRODUÇÃO

Pedrinhas e Cedovém são dois Lugares à beira mar, situados entre Ofir e a Apúlia, no concelho de Esposende - PORTUGAL.

Localizam-se num lugar calmo em cima do areal, onde pode almoçar e jantar com uma gastronomia típica local e poder usufruir de uma paisagem natural marítima Atlântica a uma temperatura do Litoral do Sul da Europa .
Onde construções CELTAS desabrocham de fundações milenares, que resulta uma relação de interligação com a paisagem. Os caminhos e os percursos de acesso ainda se encontram em areia e criam uma composição que conjuga de forma perfeita entre a topografia e época das construções, o que dá um cunho único ao Lugar. Se estivermos acompanhados com alguém especial, imediatamente nos apaixonamos e nunca mais conseguimos cortar o "cordão umbilical" com este LUGAR cheio de magia e de uma beleza natural única.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Ao largo de Esposende, há menos redes fantasma a pescar

Especialistas estudaram o impacto das redes perdidas no fundo do mar ao longo de 18 meses, e retiraram três toneladas de detritos da costa.


Elas pescam durante anos, e ficam séculos no mar. Deixadas para trás, involuntária ou propositadamente, pelos pescadores, em todo o mundo estima-se que haja 640 mil toneladas de redes fantasma, que continuam a matar e a alterar o ecossistema marinho. Em Esposende, o município juntou-se a vários parceiros e, no último ano e meio, desenvolveu um projecto para perceber o impacto deste fenómeno na orla marítima do concelho, toda ela integrada no Parque Natural do Litoral Norte, e conseguiu retirar cerca de três toneladas de artes de pesca inutilizadas do fundo do mar.

Em Portugal, como no mundo, as redes inutilizadas são, muitas vezes, deixadas no mar: perdidas, por causa das tempestades, enroscadas nas artes de outras embarcações, que as cortam e deitam ao mar, ou danificadas e, consequentemente, descartadas pelos seus proprietários. Recurso outrora dispendioso, e por isso melhor preservado pelos pescadores, as modernas redes de fibras sintéticas são muito mais baratas e muitas vezes estes arriscam a colocá-las em zonas da costa onde – junto a cabeços rochosos, por exemplo – se estragam mais facilmente, nota o biólogo marinho Vasco Ferreira, que coordenou o projecto Redes Fantasma.

Responsável pelo Centro de Mergulho e Ecologia Marinha do Fórum Esposendense, um dos parceiros do projecto, Vasco Ferreira mergulha há mais de duas décadas. E desde cedo se apercebeu das dificuldades de convívio de peixes, e outros seres que habitam neste ecossistema, com as redes deixadas no fundo do mar. Autor do Guia de Campo - Fauna e Flora Marinha de Portugal, o biólogo encara esta iniciativa municipal como uma forma de alertar a comunidade, e principalmente os pescadores, para os efeitos invisíveis, mas duradouros, da sua actividade.

Não é que se possa dizer que os pescadores sejam insensíveis ao problema ambiental que provocam. Em vários pontos do país há empresas que recolhem redes inutilizadas, e o negócio, segundo um dos operadores, tem crescido, dado o seu valor comercial para a produção de uma nova fibra, o Econyl. Mas nas cerca de 60 campanhas de mergulho para retirada de resíduos detectados, os dois elementos da equipa trouxeram para terra um volume de detritos que, estima Vasco Ferreira, deverão pesar cerca de três toneladas, o que é apenas uma amostra da verdadeira dimensão do problema.

Na semana passada, realizou-se em Esposende um seminário sobre o projecto, que incluiu a apresentação de uma reportagem vídeo, produção do Fórum Esposendense realizada pelo próprio Vasco Ferreira. Neste trabalho, Augusto Silva, da Associação de Pescadores Profissionais de Esposende, admite que a limpeza dos fundos favorece a actividade, ao impedir a mortandade de peixe na pesca fantasma, e assume que só não se perdem mais redes porque hoje em dias os pescadores conhecem melhor as previsões do tempo e evitam, sempre que podem, deixar artes no mar em dias de temporal.

O problema nunca é estritamente local. Os 16 quilómetros de costa de Esposende são frequentados por embarcações de vários concelhos, e os detritos da sua actividade são bem notórios junto dos muitos cabeços e nos locais onde ocorreram naufrágios e restos de chapa ou madeira estragam as redes, assinala o biólogo, que passou a conhecer este território com mais detalhe.

Os 165 mil euros de financiamento do projecto (que foi apoiado pelo PROMAR, do último Quadro Comunitário de Apoio) permitiram ao município adquirir equipamento de mergulho, um mini-ROV, um veículo operado remotamente, que permite filmar a maiores profundidades e um sonar de varrimento lateral, com o qual foi feito o varrimento dos fundos.

A identificação das zonas mais problemáticas pode ser uma ajuda para as autoridades com intervenção neste território marinho, como se percebe nos depoimentos de outros parceiros prestados para o vídeo de divulgação do projecto. 

O lixo marinho é um problema ambiental grave”, alerta Fernando Gonçalves, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, que tutela o parque natural, secundado por Raul Risso, capitão do Porto de Viana, que fala numa “perda desmesurada” de redes por parte dos pescadores e admite dificuldades na vigilância da actividade de todas as embarcações que operam na costa.

sábado, 21 de novembro de 2015

RAZÃO


RAZÃO

I
Porque suporto um sofrimento intenso?
Porque, vendo a Miséria, eu adivinho
Quanta dor há no seu viver mesquinho?
Eu sofro, porque sinto, porque penso.

Porem querendo, facilmente venço
A Dor com que a mim mesmo de definho.
E rio logo, delirando, imenso.

Mas só pela minha alma ser afeta
A delicado sentimentalismo,
A Natureza fez de mim um Poeta.

A Dor é tributo da Razão
Entregue à Natureza, penso e sismo...
E, enquanto sismo, quantos chorarão!

II
Bebo um copo de Porto, com ardor,
E logo me adormece a mágoa e invade
Meu ser uma letal felicidade
Que me tolda a razão levando a dor.

Mas há alguma coisa superior
Ao cérebro que tem a claridade,
Que esparge a luz ardente da verdade?
A uma razão pujante de Vigor?

Ela que imortaliza alguns mortais,
Me vai tornando um ser menos mesquinho,
Aperfeiçoa, eleva os meus ideais.

Por isso, a Dor há de tentar-me em vão
A acalenta-la na embriagues do vinho,
Que, embora dê prazer, tolda a Razão.

Roberto C Macedo 1909




quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Demolições na Praia de Faro continuam apesar da oposição do presidente de Câmara

O autarca receia que, se for o PS a formar Governo, as demolições parem definitivamente, o que prejudicará os proprietários das casas entretanto demolidas.


As demolições de casas na Ria Formosa vão continuar nas próximas semanas contra a posição do presidente da Câmara de Faro, que propôs a suspensão da medida enquanto não estiver formado um novo Governo.

Não há razão nenhuma para se fazer, nas próximas duas ou três semanas, essas demolições, acho que se deve esperar” pela formação do novo Governo, disse o social-democrata Rogério Bacalhau à Lusa.

O autarca receia que, se for o PS a formar Governo, as demolições parem definitivamente, o que prejudicará os proprietários das casas entretanto demolidas.

A muito curto prazo, a medida vai atingir oito casas da Praia de Faro cujos proprietários tinham pedido uma providência cautelar, mas que o Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé decidiu que a sociedade Polis Litoral Ria Formosa podia tomar posse das mesmas e proceder à sua demolição.

Rogério Bacalhau explicou ter feito uma proposta, em sede de conselho de administração da Sociedade Polis, para suspender provisoriamente as demolições, mas que a maioria dos representantes do Governo votou contra, numa reunião realizada na segunda-feira ao fim do dia.

Segundo o autarca, desde o início do corrente ano já foram demolidas quase uma centena de casas na península do Ancão, onde se situa a Praia de Faro.

As demolições de casas na Ria Formosa têm sido contrariadas pelos proprietários dessas habitações, nomeadamente com a apresentação nos tribunais de providências cautelares motivadas por receios de desequilíbrio ambiental.

Vários núcleos habitacionais das ilhas barreira da Ria Formosa, situada entre os concelhos de Vila Real de Santo António e Loulé, como Farol, Culatra ou Hangares, já foram alvo de demolições de habitações ordenadas pelo Ministério do Ambiente no âmbito de um projeto de renaturalização conduzido pela Polis, dentro da reserva natural.

O processo, que estava previsto incidir apenas sobre segundas habitações, causou polémica e protestos dos moradores, críticos das autoridades por, segundo eles, estarem a demolir primeiras residências e deixarem famílias desalojadas.

A contestação em tribunais levou a Justiça a suspender as demolições, enquanto são decididos os processos pendentes relativos a providências cautelares.

A sociedade Polis deverá ser extinta no final do corrente ano, mas já há uma proposta, que será discutida em assembleia geral, para prolongar o seu mandato por mais um ano.

Os acionistas da Polis Litoral Ria Formosa são o Estado e, em minoria, as Câmaras Municipais de Faro, Olhão, Tavira e Loulé.