INTRODUÇÃO

Pedrinhas e Cedovém são dois Lugares à beira mar, situados entre Ofir e a Apúlia, no concelho de Esposende - PORTUGAL.

Localizam-se num lugar calmo em cima do areal, onde pode almoçar e jantar com uma gastronomia típica local e poder usufruir de uma paisagem natural marítima Atlântica a uma temperatura do Litoral do Sul da Europa .
Onde construções CELTAS desabrocham de fundações milenares, que resulta uma relação de interligação com a paisagem. Os caminhos e os percursos de acesso ainda se encontram em areia e criam uma composição que conjuga de forma perfeita entre a topografia e época das construções, o que dá um cunho único ao Lugar. Se estivermos acompanhados com alguém especial, imediatamente nos apaixonamos e nunca mais conseguimos cortar o "cordão umbilical" com este LUGAR cheio de magia e de uma beleza natural única.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Barra de Esposende já não é só perigo para os pescadores





 O município de Esposende elaborou um plano de contingência para galgamentos costeiros que visa prevenir situações de risco e definir procedimentos de protecção de pessoas e bens, em caso de catástrofe. O plano foi apresentado, na semana passada, numa reunião onde foram debatidas as medidas já assumidas e seus resultados, obras em curso, e onde foram ponderadas as acções futuras a desencadear na embocadura do Rio Cávado.

O que pretendemos é a estabilização do sistema dunar que forma a restinga, assim como a melhoria das condições de navegabilidade no rio e na barra em particular, que colocam em perigo todos aqueles que nele navegam' assume o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, que admite que “no momento e condições actuais da restinga, acresce assegurar a defesa da população e seus bens nesta zona mais exposta à acção do mar”.

A autarquia de Esposende está disposta a disponibilizar recursos próprios para “patrocinar o avanço imediato de uma solução com carater definitivo”.

Neste contexto, o Município esposendense vai criar um grupo de trabalho para acompanhar as obras de protecção bem como o plano de intervenção e monitorização da orla costeira, constituído pelas entidades presentes na reunião, nomeadamente: representantes do Município, da Protecção Civil, das corporações de bombeiros, da Autoridade Marítima, dos pescadores, das juntas de freguesia, da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e do ICNF, mas também da comunidade científica.

Benjamim Pereira admite que o actual estado de conservação da restinga constitui “enorme preocupação para o Município”.

A destruição da restinga faz com que a ondulação chegue já junto à avenida marginal. As  medidas de autoprotecção contemplam a intervenção, em último recurso, de engenharia pesada, para colocação de barreiras junto à marginal”, disse o responsável pela Protecção Civil de Esposende, Carlos do Carmo, na reunião realizada a semana passada.


Benjamim Pereira assegurou que “o município não apoiará soluções experimentais que continuem a consumir recursos financeiros e que não resolvam o problema” porque, enfatizou, “no dia em que acontecer uma catástrofe em Esposende, a obra avançará de imediato e serão ultrapassados os obstáculos que agora vêm sendo colocados, só que aí será tarde demais para alguns.” 

A actual situação da Barra de Esposende é um enorme problema para o desenvolvimento do concelho, um risco enorme para os pescadores e agora também para a própria cidade de Esposende. Cabe-me alertar as entidades responsáveis, e trabalhar com elas no sentido de encontrar soluções” adiantou o edil.

O presidente do conselho de administração da Polis Litoral Norte, Pimenta Machado, explicou as razões que fizeram com que não tivesse resultado a solução anteriormente adoptada, apontando como principal problema “o incumprimento da especificidade dos geocilindros, por parte do fornecedor”. “Vários aspectos fragilizaram a solução que ali foi desenvolvida”, adiantou Pimenta Machado que anunciou, para Março do próximo ano o arranque das obras de recomposição da restinga, a dragagem da barra com deposição das areias nas praias adjacentes, assim como a reconstrução do molhe longitudinal ao rio. De resto, a intervenção prevista para a praia da Bonança, em Fão, arrancará no mesmo mês.



Um dos responsáveis pela situação atual de Pedrinhas e Cedovém é a Câmara de Esposende




Esta é uma das várias casas que estão em risco de derrocada, por causa da falta de proteção e pelo abandono por parte do Município de Esposende.
Enviar um comentário