INTRODUÇÃO

Pedrinhas e Cedovém são dois Lugares à beira mar, situados entre Ofir e a Apúlia, no concelho de Esposende - PORTUGAL.

Localizam-se num lugar calmo em cima do areal, onde pode almoçar e jantar com uma gastronomia típica local e poder usufruir de uma paisagem natural marítima Atlântica a uma temperatura do Litoral do Sul da Europa .
Onde construções CELTAS desabrocham de fundações milenares, que resulta uma relação de interligação com a paisagem. Os caminhos e os percursos de acesso ainda se encontram em areia e criam uma composição que conjuga de forma perfeita entre a topografia e época das construções, o que dá um cunho único ao Lugar. Se estivermos acompanhados com alguém especial, imediatamente nos apaixonamos e nunca mais conseguimos cortar o "cordão umbilical" com este LUGAR cheio de magia e de uma beleza natural única.

Esporão

Para cativar mais veraneantes, este local chamado OFIR, assumido agora como zona turística de referencia (OFIR BEACH RESORT), houve a opção política de aumentar a praia em frente ao Hotel. Tentaram juntar dois pontos num só: 
  1. Aumentar a capacidade turística balnear e criar uma zona de referencia;
  2.  Defender as 3 torres que à muito eram inundadas no inverno, onde as garagens eram alagadas e as fundações já estavam à vista. 
O Estado Português decidiu através das suas entidades competentes optar politicamente por construir vários esporões, cujo fim foi depositar areia em frente à zona hoteleira e criar uma praia como a praia do molhe Norte  da Figueira da Foz.





Construíram o 1º esporão à saída do rio Cávado






Construiram o 2º esporão em Ofir



E em 1986 realizou-se a construção do 3º esporão a Sul do Rio Cávado. Na zona de Pedrinhas e Cedovém.
Estes esporões tinham o intuito de serem grandes, quanto maior fossem maior seriam as praias a norte deles-


O terceiro esporão tinha o objectivo de chegar a uma ilha rochosa, que se chama ilha da Pena...


... e como consequência directa dessas obras de engenharia, é a norte ocorre um enorme aumento do areal, criando uma vastíssima área de praia e assim protegendo as torres e valorizando o hotel de OFIR, a sul resultou inesperadamente o inverso, dando origem a um devastador avanço do mar, uma redução enorme de areal, uma redução de cota e uma  enorme vaga de erosão, tendo mudado bacias hidrográficas, correntes, a paisagem,  a topografia, fauna e a flora ali existente à milhares de anos.



Em tão pouco tempo (2 anos) o mar avançou mais do dobro da zona de areal que no outro lado  (lado norte) do esporão tinha conquistado ao mar, pondo em risco a perda de tudo do lado sul, através das contrapartidas deste tipo de engenharia pesada.
Em beneficio de um especifico local em troca houve o resultado direto de aniquilar de lugares de Pedrinhas, Cedovém e Apúlia e na sequência desse golpe fatal, a sustentabilidade de imensas famílias de agricultores, pescadores, comerciantes casas e propriedades. 
A zona turística da Apúlia, (conhecida pelos seus emigrantes que nas férias grandes quando voltavam e passavam o mês de agosto, traziam dinheiro que era o sustento de muitas outras, que viviam o ano inteiro com as receitas desse período sazonal/balnear), estava aniquilada.




Uma paisagem com uma história ancestral que existia à milhões de anos, com  o 3º esporão desapareceu.

O areal de vários milhares de anos foi removido pelo mar  ... deu-se uma vaga de erosão jamais vista....


Na sequência de sucessivas queixas apresentadas, a Direção Geral de Portos, em 1990, para proteger as construções privadas ali existentes anteriores à nacionalidade. A Direção Geral de Portos não sabia como parar o avanço do mar, procedeu ao enroncamento paralelo à praia e iniciou a construção de um quebra-mar que nunca foi concluído.





A Direção Geral de Portos, reconhecendo que a colocação do enroncamento não era suficiente para estagnar o avanço do mar, procedeu à remoção de 140m do 3º esporão em 1994, reduzindo o risco de derrocada das construções do Lugar das Pedrinhas e Cedovém.

ESPORÃO INICIAL COM MAIS DE 200 m

Como é que isto foi possível acontecer. Realizou-se uma obra de engenharia, sem nenhum estudo de impacto ambiental e ainda por cima numa zona de área protegida - ÁREA DE PAISAGEM PROTEGIDA DO LITORAL DE ESPOSENDE.


 Hoje tudo se transforma para pior a 1994. O quebra-mar está a desapareceu, devido ao seu desgaste ao longo do tempo e de nunca ter havido nenhuma manutenção, o que resulta hoje a sua inexistência. 
A falésia também provocada pelo esporão tem vindo a recuar com erosão agreste da água do mar e seus temporais, com o salitre e ventos, chegam à estrada nacional 
 Hoje há uma erosão constante e uma ausência de proteção do lugar, o que deriva um permanente risco (já houve vários alertas à proteção civil de situações de perigo em anos anteriores), o que tem posto  em perigo todos (pescadores, veraneantes, transeuntes, proprietários, turistas, arrendatários, animais) quantos utilizam os caminhos pedestres, a praia, o areal, as habitações e os que ainda trabalham na pesca.


Praia das Pedrinhas depois do Esporão e quebramar




Lugar das Pedrinhas visto do mar com o enroncamento de pedras

Construção em Cedovém


HÁ A NECESSIDADE
 URGENTE
 DE RETIRAR O 3º ESPORÃO
 E
 QUE SE
 REPONHA A PRAIA
 COMO ERA
 DE ANTES


Noticias relacionadas com esta situação

O ESPORÃO ESTÁ A FAZER DE TAMPÃO.

AS CORRENTES DO MAR TIVERAM DE O GALGAR PELO LADO NASCENTE

(PELO LADO LADO DA PRAIA)

EIS O RESULTADO AQUI E NA DUNA DAS HABITAÇÕES



2009


Imagens tiradas a 10 de Outubro de 2010
ZONA A NASCENTE DO ESPORÃO
EROSÃO PROVOCADA PELO ESPORÃO







Dia 6 de Dezembro de 2010
Tendo sido colocado areia para fazer rampa de acesso aos pescadores do Lugar-das-Pedrinhas, com a existência do esporão, imediatamente a areia volta a ir embora


2010-12-19
A Polis Litoral Norte com o apoio da ARH Norte retirou areia da praia e finalmente realizou uma rampa de acesso, para as embarcações e pescadores poderem ir ao mar.


Toda a areia depositada foi embora, voltamos à estaca zero à data de 10 de Outubro de 2011.



Dia 17 de Novembro de 2010
Como é possível ainda não ter-se feito nada para possibilitar os pescadores poderem realizar os seus trabalhos de pesca. 

2011-02-19





Julho de 2012






2013


O EFEITO DOS ESPORÕES

Janeiro 2014
A erosão cada vez maior e o Estado nada fez...

2015
A erosão cada vez é maior e o Estado Português nada fez...

2016
A erosão cada vez é maior e o Estado Português nada fez...

2017
A erosão cada vez é maior e o Estado Português nada fez...

2018
A erosão cada vez é maior e o Estado Português nada fez...